Influência de games em comportamentos agressivos ainda é debatida

Friday, October 3, 2014
O hábito de jogar "Assassin's Creed" foi listado entre os fatores que levaram o menino Marcelo Pesseghini matar a família e cometer suicídio



Na impossibilidade de levar uma pessoa de verdade à Justiça pela morte da família Pesseghini, em São Paulo, os personagens virtuais de games violentos como o jogado pelo menino Marcelo, 13 anos, apontado como autor dos assassinatos, acabaram tomando seu lugar no banco dos réus.

Um laudo psicológico indicou que o jogo Assassin’s Creed – protagonizado por um matador e indicado para maiores de 18 anos – foi um entre oito fatores que teriam motivado o massacre. Entretanto, estudos e especialistas sustentam que somente o ato de jogar videogame não leva alguém a um ato extremo de violência. Também divergem sobre se a brutalidade virtual leva a um aumento da agressividade no mundo real.

No começo do ano, o presidente americano Barack Obama pediu mais pesquisas sobre a relação entre videogames, mídia e violência. Foram garantidos US$ 10 milhões para investigar a hipótese defendida por 75% dos pais americanos, segundo pesquisas, de que jogos violentos levam a atitudes equivalentes. O receio cresceu após massacres como o da escola Columbine, em 1999, quando os dois alunos responsáveis pela morte de 13 pessoas foram revelados como ávidos jogadores de títulos sombrios. Desde então, uma série de estudos tenta medir a influência da ficção na vida real.

Uma pesquisa publicada ano passado por psicólogos da Universidade Brock, no Canadá, concluiu que o uso prolongado de games violentos por estudantes resulta em um número ligeiramente maior de incidentes como brigas ao longo do tempo. Outro estudo, conduzido pelo psicólogo Christopher Barlett, da Universidade Estadual de Iowa (EUA), analisou o impacto imediato da brutalidade ficcional. Um grupo de universitários que jogou o game Mortal Kombat durante 15 minutos apresentou comportamento mais agressivo ao final do período em comparação a quem testou uma opção não violenta.

Pesquisadores divergem

Seria esperado, portanto, que a explosão no lançamento de games nos últimos anos levasse a uma maior violência juvenil, mas ocorreu o inverso nos EUA. O número de menores de idade infratores caiu mais de 50% entre 1994 e 2010, mesmo período em que a venda de videogames mais do que dobrou. O economista americano Michael Ward chegou a uma conclusão semelhante ao comparar padrões de jogo e ocorrências violentas.

— Quando um grupo de pessoas joga mais videogame, os atos de violência tendem a cair levemente. Não há certeza do motivo. Pode ser devido a um alívio catártico ou porque sobra menos tempo para agir — diz Ward, em entrevista concedida por e-mail a ZH.

O psiquiatra forense gaúcho Rogério Aguiar acredita que as pesquisas divergem porque é muito difícil tirar conclusões objetivas sobre o comportamento humano. Ele avalia que os jogos cruéis podem ser uma influência negativa, principalmente para crianças, mas atos extremos de violência costumam combinar outros fatores.

— Aventou-se que o Marcelo estivesse psicótico, que é quem não consegue distinguir realidade e fantasia — observa.

COMO OS PAIS PODEM AGIR

Confira algumas medidas para garantir um uso mais saudável dos games

- Conversar com os filhos para estabelecer de comum acordo quais games eles podem jogar. É importante respeitar a classificação etária presente na embalagem dos jogos vendidos no Brasil.

- Especialistas sugerem que jogos que dão recompensas para o mau comportamento, como matar inocentes, sejam evitados.

- Muitos pais não conhecem o conteúdo dos jogos. Uma simples busca no Google pode ajudar, ou conversar com o vendedor de uma loja especializada.

- Verificar periodicamente quais games os filhos estão jogando.

- Estabelecer dias e horários a fim de evitar uso excessivo do videogame. O limite de uso deve levar em consideração itens como: impedir que a criança ou o adolescente se isole do resto do mundo; distribuir tempos equivalentes entre o videogame e outras atividades de lazer; garantir que os games não atrapalhem o desempenho na escola e a realização de tarefas.

- Em vez de simplesmente coibir o uso do videogame, procure estimular seu filho a realizar outras atividades que ocupem parte do tempo destinado aos jogos.

SINAIS DE USO INADEQUADO

- A criança ou o jovem estão cada vez mais isolados, dedicando atenção quase exclusiva aos jogos.

- O tempo gasto diante da tela começa a comprometer a alimentação ou o desempenho na escola.

- Fascinação incomum pela violência em jogos, programas de TV, filmes e internet.

- Dificuldade extrema em se afastar do videogame, com baixa tolerância à frustração.

A HORA DE BUSCAR AJUDA

- Inicialmente, ao detectarem algum sinal de uso inadequado dos games, os pais devem buscar corrigir esse comportamento dos filhos. Se não conseguirem, devem procurar auxílio especializado como um psicólogo, psicanalista ou psiquiatra.



Fontes: psicanalista Ruggero Levy, psiquiatra Rogério Cardoso, Centro Nacional para Análise do Crime Violento dos EUA, ZH Digital.

Em 12/09/2013.

Link: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/econom...66337.html

..

.


..........................................


0 comments:

Post a Comment